aman 62

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aproxima-se o Fim do Ano: Muito Estudo

 

O último ano da Academia, fora os momentos de distração, foi de muito estudo, pois dependeria da classificação final, a escolha da unidade e da cidade para onde cada um seria mandado como Aspirante.

E, nem sempre, o Cadete conseguia ir para o local almejado, o que frustrava bastante. Desde os primeiros meses do ano, já havia uma disputa silenciosa para alcançar uma boa classificação, e à medida que as últimas provas iam chegando, o nervosismo aumentava, principalmente, para os que almejavam as primeiras colocações ou os que não tinham muita opção de local.

O esforço do Cadete Tavares foi recompensado, pois acabou saindo classificado em 37o. lugar, na turma de 118 Cadetes, com o grau final de 7,716, tendo obtido as seguintes notas finais: Balística: 7,2; 1o. Grupamento de Instrução: 6,6; 2o. Grupamento de Instrução: 7,0; 3o. Grupamento de Instrução: 7,1; 4o. Grupamento de Instrução: 7,1; Direito: 6,1; Eletrônica: 5,1; Geografia Política Econômica: 7,1; História Militar: 6,2; Psicologia: 6,0; Matemática V: 5,8, conseguindo 45.373 pontos nesse ano.

Este resultado deu-lhe condições de escolher um bom lugar para servir como Aspirante, como será visto adiante.

Cada Arma e Serviço, um mês antes, aproximadamente, reuniu seus formandos para a escolha das Unidades para onde seriam destinados como Aspirantes. No quadro negro de uma sala encontramos os nomes das Unidades com o número de vagas a preencher.

A partir do primeiro colocado da Turma, cada um, ao ser chamado, ia até o quadro e colocava seu nome numa das vagas existentes.
É claro que os últimos classificados praticamente ficavam sem muita opção entre as guarnições a escolher, apesar de haver unidades de Infantaria em todos os Estados da Federação.

Tendo completado o curso em 37º lugar, Tavares pôde escolher uma ótima guarnição para servir. Assim, teve o privilégio de ir para o 12o Regimento de Infantaria, o famoso Treme-Terra, Organização Militar situada em Belo Horizonte, no Estado de Minas Gerais, cheia de tradições guerreiras, pois participara de vários conflitos internos e, também, da Campanha da Itália, na 2ª Guerra Mundial.

Com ele, seguiriam para lá mais 5 companheiros: Paixão, Rocha, Waltemberg, Muzzi (destes, este foi o único que chegou a general de brigada) e Castro (veio a falecer na década de 90), os três primeiros, mineiros, e os dois últimos, também cariocas.